#TodosComDavid

#TodosComDavid
Clique e faça uma doação

Comunicação popular visibilizando um Semiárido rico em vida

Monyse Ravenna - comunicadora popular da ASA
Sobral | CE
09/04/2014
“Deve-se escrever da mesma maneira como as
 lavadeiras  lá de Alagoas fazem seu ofício”
(Graciliano Ramos)

A Cáritas Regional Ceará realizou no último dia 07, a oficina de comunicação popular “Visibilizando um semiárido rico em vida”. O momento reuniu as equipes executoras do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2) que atuam na região de Sobral, norte do estado do Ceará para pensar as ações em comunicação, em um exercício de criação coletiva de processos.

O animador de campo Sandro Rodrigues ressaltou que as ações de comunicação podem contribuir no resgate da cultura das comunidades rurais. Juarez Sá, também animador de campo também ressaltou divulgação das culturas locais e a socialização de experiências comunitárias como um dos principais papéis da comunicação popular praticada no âmbito da Articulação Semiárido Brasil (Asa Brasil).

A diversidade de experiências, a linguagem de fácil alcance, a visibilidades de grupos e comunidades e a divulgação do conhecimento construído pelos agricultores e agricultoras apresentadas pelos instrumentos de comunicação da Cáritas Regional, do Fórum Cearense pela Vida no Semiárido (FCVSA) e da ASA também foram aspectos ressaltados pelas equipes no conjunto da oficina.

Uma das propostas da atividade era que a comunicação popular e seus instrumentos também fossem compreendidos como um lugar de troca de ideias, experiências e sentimentos entre aqueles e aquelas que a produzem e também a o público a que esses instrumentos são direcionados. E que esse é um debate a ser feito em vários espaços, o do direito humano à comunicação. Direito esse que implica no acesso a informações por todas as pessoas, a liberdade de expressão e a possibilidade de produção de conteúdos comunicativos.

“A comunicação popular gera mobilização social, constrói identidades, é estratégica na execução dos programas, por isso nossa busca por planejarmos melhor essas ações”, concluiu Alessandro Nunes coordenador do P1+2 pela Cáritas Regional Ceará.


Fonte: ASA Com