#TodosComDavid

#TodosComDavid
Clique e faça uma doação

Fórum Cearense pela Vida no Semiárido realiza encontro de Monitoramento dos Programas

Mayara Albuquerque* e Rosa Nascimento**
Quixeramobim | CE
28/07/2014
Encontro reuniu coordenadores/as, animadores/as de campo e representantes das instituições | Foto: Arquivo FCVSA
O Fórum Cearense pela Vida no Semiárido (FCVSA) realizou nos últimos dias 24 e 25, em Quixeramobim, no Sertão Central do Ceará, Encontro de Monitoramento dos Programas. Participaram coordenadores/as, animadores de campo e representantes das instituições que executam os programas da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), no Estado do Ceará.

Com o objetivo de refletir coletivamente os processos de implantação das tecnologias sociais de convivência com o Semiárido a partir das experiências e estratégias metodológicas das entidades e na perspectiva de fortalecer a construção do monitoramento, o evento teve um caráter avaliativa e propositivo.

“A importância do monitoramento para uma boa execução dos programas” como ponto principal da primeira discussão rendeu o compartilhamento das perspectivas de uma construção propositiva, e a questão “o que monitorar coletivamente e no âmbito de execução dos programas” conduziu os grupos, que ao retomar o debate socializaram o desejo de continuar o trabalho por melhorias junto às comunidades rurais, a partir das estratégias: formação; monitoramento dos resultados que os programas têm gerado na vida das famílias; estabelecimento de estratégias comuns na execução dos programas; focar na questão do caráter produtivo; monitoramento da qualidade das implementações como um processo contínuo e olhar a cisterna não como uma construção civil, mas como um processo para a consolidação da cidadania.

“A gente traz vários elementos, uns mais fortes, outros a partir do contexto. Esse momento também é de formação para aqueles que estão chegando no programa. Se a gente não possibilitar esse espaço como de formação e aprendizado, não vamos contribuir com o empoderamento dessas questões”, ressalta Cristina Nascimento, do Centro de Estudos do Trabalho e de Assessoria ao Trabalhador (Cetra) e da coordenação executiva da ASA pelo Estado do Ceará.

No segundo dia de encontro foram discutidos o alinhamento das estratégias de execução/orientações da 1ª água (P1MC e SDA), como também o quadro atual de execução dos programas da ASA: processos de Implementação das tecnologias, comunicação e capacitação.

Como estratégia de trabalho ficaram definidos os seguintes pontos:  sensibilizar as famílias para o entendimento das tecnologias sociais de captação de água como um bem necessário para viver melhor no Semiárido; repetir as informações durante todo o momento de capacitação para que as famílias entendam o processo de construção; deixar claro para as famílias de onde vem os recursos do programa; visibilizar todos os processos, desde a capacitação à construção; entregar o espelho do material da cisterna para que as famílias possam acompanhar a entrega dos mesmos; realizar reuniões de monitoramento para pautar as referidas questões, como também fortalecer as ações, entre outras.

* Comunicadora popular da ASA
** Assessora pedagógica do FCVSA

Fonte: ASA COM