#TodosComDavid

#TodosComDavid
Clique e faça uma doação

Instituições do FCVSA debatem a mudança de estatuto da AP1MC

Nos dias 17 e 18 de agosto, representantes das instituições que fazem parte do Fórum Cearense pela Vida no Semiárido (FCVSA) se reuniram e debateram sobre a atualização do estatuto da Associação Programa Um Milhão de Cisternas para o Semiárido (AP1MC). A reunião ocorreu na sede do Esplar – Centro de Pesquisa e Assessoria.

Para Cristina Nascimento, que faz parte da coordenação do Cetra e da coordenação executiva da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), a reunião é uma ação importante por se tratar de um momento de formação e informação. “A reunião é um ponta pé importante pra gente olhar pra nós mesmos, pra ver o que já foi feito e olhar o caminho que já foi trilhado até aqui. Esse é um momento da gente ter também o sentimento de pertencimento ao processo e acho que essa reunião possibilita isso, iniciar debates”, afirma.

A reunião, que foi dividida em dois dias, teve como foco a mudança do estatuto da AP1MC, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público que foi criada há 15 anos para viabilizar, enquanto personalidade jurídica, as ações de convivência com o semiárido implantadas pela Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA). O encontro teve início com a apresentação feita por Malvinier Macedo, diretora adjunta do Esplar – Centro de Pesquisa e Assessoria e presidenta Conselho de Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional do Ceará (Consea CE) que falou sobre o início da trajetória da ASA, da AP1MC e do Fórum Cearense pela Vida no Semiárido.

Durante sua fala, Malvinier Macedo também lembrou sobre os trabalhos realizados por instituições do Ceará antes da criação da ASA. “Nos anos de 97 e 99 houve um período de seca e aí nasceu uma grande mobilização no estado do Ceará. O Fórum Cearense pela Vida no Semiárido surge exatamente nesse período, anterior até mesmo a criação da ASA. Gostaria de destacar algumas instituições que participaram desse início: Esplar, Caritas, Comunidades Eclesiásticas de Base, Anote, CPTs e a Cut. Esse povo colocou o pé na estrada para criar inclusive os fóruns nas microrregiões do Estado”, informou.

Para a realização dos debates sobre a atualização do estatuto da AP1MC foi construído um roteiro-guia que serve como base para as reuniões que estão acontecendo em outros estados de atuação da ASA. Durantes os dois dias de realização do encontro em Fortaleza, os/as participantes se dividiram em equipe e debateram sobre os dez pontos existentes no documento.


De acordo a Cristina Nascimento, a proposta agora é levar essa reunião até as microrregiões do Ceará para apresentar o que de fato é a AP1MC, o que é a ASA, iremos informar que estamos nesse processo de mudança de estatuto, entre outros temas. O estatuto ainda será debatido em encontros estaduais e no Encontro Nacional da ASA (EnconAsa) que acontece em novembro deste ano.